Uma reflexão para mentes e corações abertos

Últimas

“Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.” – 1 Coríntios 13:13

Quase um ano sem publicar! Mas Deus sabe de todas as coisas, foi o tempo necessário para refletir sobre a Palavra, aprender os ensinamentos do Espírito Santo de Deus e realmente aprendi muito e continuo no processo de aprendizado, graças à Deus!

Sempre tomei o cuidado de não escrever qualquer coisa, e muito criterioso se fosse algo de minha reflexão pessoal, para que eu seja apenas um instrumento do evangelho de Jesus, o Cristo.

“Tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar;” – Eclesiastes 3:7

Após todo esse período em silêncio, não tenho muito à dizer (rsrs), ainda mais porque não é na multidão de palavras que reside a sabedoria de Deus, e sim, em palavras simples para os corações humildes. Aconteceram muitos fatos desde a última publicação e muitas outros haverão de acontecer pelo cumprimento da Palavra. Como está escrito, muitos continuam suas vidas, rotinas, seu cotidiano sem perceber as mudanças graduais e drásticas que estão em andamento na sociedade, no mundo, tanto o mundo natural e principalmente o mundo espiritual.

Ah sim, levando em estima aos que não creem em Deus, é bem visível as mudanças no mundo natural e social, além do que, vale lembrar, palavra é espírito, e espírito é o que nós somos, o que pensamos, o que falamos. Palavra é espírito. Quantas vezes já não ouvimos a expressão: “Pegou o espírito da coisa?”, seja de uma atividade profissional ou recreativa, de uma ideologia, etc. Infelizmente como a humanidade escolheu o dinheiro como força motora, geradora principal do mecanismo da vida humana neste planeta, e ainda em um sistema falho (sim, falho, pois a miséria humana tem aumentado em progressão geométrica), o dinheiro influi diretamente no comportamento das pessoas.

“Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.” – 1 Timóteo 6:10

“Quem amar o dinheiro jamais dele se fartará; e quem amar a abundância nunca se fartará da renda; também isto é vaidade.” – Eclesiastes 5:10

Já refleti aqui sobre o dinheiro várias vezes e a questão não é o $ em si, mas o que ele proporciona, o poder. E esse poder engloba a simples necessidade de obter o alimento do dia a dia, quanto as mais loucas ambições do sentimento humano. Mas também não vou entrar nestas questões neste momento. Mas independente de minha escolha estritamente pessoal por crer e amar Jesus, o dinheiro não rege minha vida, não é parâmetro de valores humanos, de sentimentos, atitudes. Isso não quer dizer que o dinheiro não tem sua importância em minha vida, pois vivemos num mundo capitalista, o dinheiro move o mundo e quem não vive de acordo com o mecanismo funcional dele, sofre consequências. Mas no meu caso, Deus tem me sustentado e me orientando à não colocar minha confiança no dinheiro em si e não abraçar a ideologia do dinheiro.

“Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos;” – 1 Timóteo 6:17

“E Jesus lhe respondeu, dizendo: Está escrito que nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra de Deus.” – Lucas 4:4

A palavra de Deus nos ensina perfeitamente a lidar com a questão do dinheiro e não se deixar dominar pelos seus padrões ideológicos. O fato de escolher a Palavra de Deus como pão de cada dia, garante naturalmente que vivamos bem, em paz, com sabedoria. Jesus disse palavras sobre essa questão do dinheiro várias vezes e está registrado em notório sermão da montanha que é enfatizado em filmes de natal.

“Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” – Mateus 6:33

Deus é o próprio Amor, então buscar o seu reino em primeiro lugar, é buscar o verdadeiro amor.

“O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha;” – 1 Coríntios 13:4-8

Se assim Deus quiser, teremos outros assuntos por aqui, mas sugiro de todo meu coração, escolha o Amor ♥

“E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará.” – Mateus 24:12

747.gifO próprio Senhor Jesus alerta seus discípulos sobre tempos difíceis pela frente, os quais estamos vivenciando, independente de ser cristão ou não, isso é em relação a humanidade. Basta prestar atenção no comportamento da sociedade atualmente e perceberá que a intolerância tem agregado mais adeptos, além do termômetro estar mais sensível e o pavio mais curto.

Ando pelas ruas, ouço pessoas, tanto ao vivo quanto pela web, nas palavras e olhares também há medo, incerteza, incredulidade. Sinto a ausência de Deus na vida de muitas pessoas. Sim, muitas escolheram não ter Deus por inúmeros motivos, outros querem que Ele seja personalizado à gosto, como um utensílio espiritual.

“Este povo se aproxima de mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim.” – Mateus 15:8

É uma velha questão que já se sabe a resposta, mas o coração duro não aceita: A humanidade em sua maioria recusou Deus. Uns fizeram-se deuses de si mesmos, outros buscaram outros deuses, sejam em outras religiões ou na humanidade, como no caso da ciência, filosofia, idealismos. Como a escolha da humanidade se mostrou extremamente falha (basta ver a desigualdade, violência, pobreza, etc e etc…), então se culpa Deus por tais calamidades, mesmo não crendo na sua existência. Também a culpa é lançada às instituições religiosas de Deus e as que usam o nome de Deus. Então o livre arbítrio é usado de forma conveniente, queremos ser livres e fazermos o que quisermos, mas caso as consequências sejam negativas, não reconhecemos nossa culpa. Seres vivos indefesos sofrem as consequências das diretrizes da humanidade autônoma.

Deus é justo, de equidade. Nos deu liberdade e não vai interferir em nossas vidas se escolhemos a independência. Tente imaginar o Brasil exigindo para Portugal resolver os nossos problemas atuais, alegando que eles são responsáveis por invadir e tomar esta terra no passado. Não é absurdo? Mas enfim, não vou entrar nestas questões, seria inútil.

Agora, os que colocaram suas esperanças, confiança, fé em Deus, é o momento para abrirmos nosso coração e deixar o Espírito Santo de Deus agir em nossas vidas, ele mesmo fará que não sejamos galhos secos, mas com folhas e frutos abundantes. Plantado em boa terra, água pura e sol. Nestas condições, a árvore não perecerá, permanecerá firme em todas as estações e dará seu fruto, pois é Deus quem sustenta. Não devemos nos abalar pelo que está ocorrendo na humanidade atualmente, Jesus já tinha avisado à dois milênios. Também não estamos sozinhos, Ele prometeu que estaria conosco todos os dias através do Espírito Santo de Deus e assim tem permanecido.

“E eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.” – Mateus 28:20

Também não nos conformemos com a mudança de valores da humanidade, continuemos no que temos aprendido, continuemos até o fim.

“Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.” – 1 Coríntios 13:13

“Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra.
Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.” – Apocalipse 3:10,11

Tudo é vaidade…

vanity-care-fundo-branco-520x570“Vaidade de vaidades, diz o pregador, vaidade de vaidades! Tudo é vaidade.” – Eclesiastes 1:2

Pois é, isso faz parte da natureza humana e até precisamos de uma certa dose de vaidade para nos mantermos em pé. É a dose exata que nos faz valorizar o presente da vida que nos foi dada de graça por Deus. Agora para quem não acredita em Deus e tão pouco sua existência, serve como um estímulo psicológico para não ficar doente, entrar em um quadro depressivo e por aí vai. Assim como as medicações fabricadas pela indústria farmacêutica, a superdosagem tem efeitos colaterais que podem até chegar a morte, tanto da pessoa que abusa na dose de vaidade, quanto as pessoas que estão em seu convívio, como o fumante passivo, que ainda muitos fumantes ignoram à respeito. Mas neste momento não vou falar sobre a vaidade no sentido da aparência estética do corpo humano, apenas usei esta imagem de cosmético pelo nome dele, Vanity Care, traduzindo literalmente como cuidados com a vaidade. Só que neste texto, os cuidados não são no mesmo sentido do cosmético que se refere ao cuidado como esmero, mas como alerta, prudência.

“E, demais disto, filho meu, atenta: não há limite para fazer livros, e o muito estudar é fadiga espiritual da natureza humana.” – Eclesiastes 12:12

Mais uma vez me veio inspiração (espero que seja do Espírito Santo de Deus) para escrever este texto por conta de publicações que leio nas redes sociais virtuais. Foram publicados textos sobre diversos assuntos, alguns deles de coisas simples do cotidiano e coisas específicas, chegando ao nível de pesquisa acadêmica. Claro que os google’s e wiki’s da vida (web) são um grande atalho e poupam muito tempo, mas há de se concordar que se a pessoa tem um mínimo de coerência, disponibilizou um tempo para ler as informações e depois repassar para seus amigos, colegas de trabalho, familiares, etc. Um exemplo: Atualmente pelo menos em São Paulo (Pois é o lugar que vivo), o hamburger está na moda, mas não aquele sanduichinho de bar ou padaria ou de fast food, mas o sanduíche elitizado, que chega a custar pelo menos R$25,00, e sabemos que a maioria da população não tem um vale refeição neste valor. Assim como as cervejas artesanais em que uma garrafa de 330ml também chega no mesmo valor do hamburger gourmet. Muitas pessoas acabam se interessando pelo que estão consumindo, acabam comprando livros, revistas, assistindo videos à respeito e por aí vai, percorrendo um caminho considerável de estudo e pesquisa. Não que seja algo ruim fazer isso, pois eu mesmo quando estive por um longo período desempregado e refazendo meu direcionamento profissional, frequentava quinzenalmente a biblioteca (a biblioteca municipal tinha como regra o empréstimo de 2 livros por 15 dias) e pesquisava sobre música até esgotar os livros do acervo. Ou seja, foram horas e horas dedicadas à leitura para captar informações e conhecimento. Foi útil? Sim, mas para mim, todas aquelas informações só tem serventia quando eu coloco em prática na música, mas isso é de forma indireta, pois não me dediquei ao campo teórico e literário musical. As informações que se transformam em conhecimento tem proveito quando elas acrescentam ou mudam o nosso modo de agir, de viver e no caso, de fazer música, mesmo que de forma bem indireta.

Assim é com a bíblia, com a Palavra de Deus. Eu não encaro como um manual de regras e leis que são passíveis de punição, como artigos constitucionais ou códigos criminais. O conhecimento contido na bíblia me traz sabedoria, me traz o conhecimento de Deus, como ele falando diretamente à mim. Lembrando que cerca de 90% das escrituras utiliza figuras de linguagem, não se leva ao pé da letra o que está escrito, são metáforas para ilustrar palavra de conhecimento, em linguagem espiritual (lembrando que espiritual diz ao que somos em nossa essência de nossa existência). E como em qualquer livro de teoria musical ou até o óbvio manual de instruções do smartphone, é mais proveitoso se for posto em prática os ensinamentos. E para que isso não se torne um aborrecimento, partidarismo religioso, tudo se resume ao que Jesus disse:

“O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.” – João 15:12

Pois é, um simples texto que li no mundo virtual sobre um assunto tratado com tantos detalhes, de algo que consumimos e no dia seguinte se vai pelo vaso sanitário, deveria ter importância até que ponto? Claro que isso não é arbitrário, cada um utiliza o seu tempo de vida como achar melhor. Isso me serviu como reflexão sobre o quanto é benéfico eu em particular, utilizar o tempo nesta breve vida, afinal se viver 100 anos, o que são 100 anos perante a eternidade? Devo utilizar o tempo lendo, estudando acumulando informações e conhecimento que serão lançados ao esquecimento após minha morte ou utilizar melhor este tempo para acumular informações, conhecimento e sabedoria para a eternidade?

“Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam;
Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam.
Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.” – Mateus 6:19-21

“Minha é a vingança, eu darei a recompensa, diz o Senhor.”

“Porque bem conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu darei a recompensa, diz o Senhor. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo.” – Hebreus 10:30

À primeira vista podem ser duras estas palavras, mas bem sabem os que conhecem à Deus, o quanto Ele é misericordioso:

“Piedoso e benigno é o Senhor, sofredor e de grande misericórdia. O Senhor é bom para todos, e as suas misericórdias são sobre todas as suas obras.” – Salmos 145:8,9 

“Misericordioso e piedoso é o Senhor; longânimo e grande em benignidade. Não reprovará perpetuamente, nem para sempre reterá a sua ira. Não nos tratou segundo as nossas transgressões, nem nos recompensou segundo as nossas maldades, injustiças e perversidade. Pois assim como o céu está elevado acima da terra, assim é grande a sua misericórdia para com os que o amam. Assim como está longe o oriente do ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões. Assim como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor se compadece daqueles que o amam.” – Salmos 103:8-13

Nós como seres humanos, estamos vulneráveis aos nossos sentimentos que se tornam instáveis facilmente. Não estou falando de pessoas de “pavio curto”, nervosas, etc, mas sim de pessoas comuns e até calmas. Dependendo da circunstância, uma pessoa habitualmente serena, pode perder o controle rapidamente. Tenho notado que isso ocorre mais vezes ultimamente, pois estamos vivendo tempos difíceis, ainda mais no Brasil onde a crise político/econômica tem penalizado a maioria da população e a instabilidade financeira afeta emocionalmente a grande maioria das pessoas. Os escândalos entre os servidores públicos de cargos importantes naturalmente gera indignação da população e o anseio da plebe é a justiça, só que fermentada com a vingança. Sim, isso mesmo, cada vez mais a mentalidade vingativa se torna item básico do cotidiano. Alguém tem que responder por tantas calamidades neste país, não é mesmo? Nestes últimos meses o ato de acusar não saiu de pauta em todos os lugares possíveis, seja numa conversa na mesa do bar ou em publicações nas redes sociais de internet, onde parece não haver limites ou barreiras para expor sentimentos. A justiça sem dúvida será feita, um ditado popular diz que a justiça tarda mas não falha, mas eu prefiro dizer que a justiça é feita no tempo certo. Mas muitos dirão que a justiça é falha e há inúmeros exemplos de impunidade e injustiça por aí, tantos culpados que sequer pagaram 1/100 de suas infrações. Há uma simples explicação para isso: O ser humano é imperfeito, logo, sua justiça também é. Então o que fazer? Não aceitar a impunidade e fazer justiça com as próprias mãos? Alguns já tem feito. Mas eu particularmente fiz uma escolha por toda minha vida, entrego a justiça e até a vingança nas mãos de Deus. Eu compreendo que isso é decepcionante para quem não acredita em Deus, vida pós-morte e o que vale é o outro ditado, aqui se faz, aqui se paga. De fato, também naturalmente muitas pessoas tem seu juízo efetuado até instantes após terem praticado suas transgressões, mas outras deixam este mundo na velhice e muitas vezes sem nenhum arrependimento e sem sem nenhuma punição em vida. Então até que por um ponto de vista, acreditar em Deus poderia ser uma boa opção, pois talvez aumentaria a possibilidade das pessoas pensarem melhor à respeito de praticar maldade, sabendo que cedo ou tarde, em vida ou após a morte, teriam que dar conta. E as pessoas que sofreram o agravo não ficariam frustradas e preocupadas, sabendo que cedo ou tarde, a justiça será feita. Mas eu digo ainda mais, não só coloco a justiça e a vingança nas mãos de Deus, mas também como um discípulo de Jesus disse antes de ser executado pediu à Deus:

“E apedrejaram a Estêvão que em invocação dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito.
E, pondo-se de joelhos, clamou com grande voz: Senhor, não lhes imputes este pecado. E, tendo dito isto, adormeceu.” – Atos 7:59,60

É o que tenho aprendido lendo a bíblia, conhecendo Deus e seu filho Jesus, o Cristo. Talvez essas coisas não tenham lá uma lógica plausível para muitas pessoas, talvez não seja sofisticada o suficiente para o intelecto mais evoluído no conhecimento, talvez não seja complexo e exuberante comparando com muitos escritos filosóficos de pensadores como Krishnamurti, Sartre, Heidegger, Dostoyevski, Kierkegaard, etc… Sim, sem dúvida a biblia que é a palavra de Deus é um texto simples, aparentemente complexo por usar metáforas quase que o tempo todo, mas são mensagens simples para pessoas simples. E nessas palavras consideradas até pobres por muitos, apenas interessa a verdade e no caso, sobre como não é saudável para nós cultivarmos o sentimento de vingança, pois este sentimento nos envenena e nós temos a capacidade, mesmo que sendo limitados e falhos, a capacidade de resistir nossos sentimentos perante este mal e não torná-los fatos. O ser humano já construiu uma sociedade que já é vingativa demais por si só, não há a menor necessidade de contribuir com isso. O perdão é que está em falta no mercado ultimamente.

Negue-se a si mesmo

Mona-Lisa-Duckface-1“Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me;” – Mateus 16:24

Ah, as selfies… tão comuns hoje em dia após o advento da câmera frontal nos smartphones, se tornou um hábito diário para muitas pessoas, como escovar os dentes, tomar banho e fazer as refeições. Calma, não há nada de mal em tirar selfies, é divertido até mas como diz o velho ditado popular e até médico, tudo em demasia faz mal. Mas não é exatamente sobre selfies de celular que realmente quero falar e sim, de algo mais profundo, pois as selfies ou fotos de si mesmo são apenas um sintoma dentre tantos, de uma humanidade doente.

Como sempre procuro falar sobre comportamento humano e este texto não é um instrumento para persuadir alguém para se integrar à uma religião. Então o que vou falar sobre o evangelho e Jesus, é em relação aos pré-conceitos da sociedade e equívocos. O que me chamou a atenção foi uma publicação sobre uma declaração do novo líder do governo federal do Brasil pós afastamento da presidente eleita por voto direto no país. Também não vou entrar no mérito da questão em si. Bem, havia um comentário sobre o trecho do vídeo compartilhado, dizendo que o brasileiro não tinha que se preocupar com o islamismo e sim com outra coisa, obviamente falando sobre a ênfase que o novo líder do governo federal se pautava sobre religião, mas no sentido da origem da palavra sobre religar, e isso em vários aspectos, não apenas espirituais ou “religiosos” ou valores cristãos, e sobre sua afirmação de possuir fé em Deus para exercer seu cargo. Sim, o problema não é o islamismo em si, mas o ser humano que utiliza a fé e a religião como instituição espiritual para interesses político econômicos, de forma bélica. Esta pessoa insinuou que a chamada “bancada evangélica” no Congresso Nacional Federal Brasileiro quer implantar um regime repressor pautado em uma religião moralista que castra a liberdade da população em muitos aspectos.

“Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto;” – 1 Pedro 5:2

“E respondeu-me, dizendo: Esta é a palavra do Senhor a Zorobabel, dizendo: Não por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos.” – Zacarias 4:6

É bem compreensível qualquer pessoa que não tenha real entendimento e conhecimento de quem de fato é Deus, pense que ser evangélico, significa ser uma pessoa não livre, cheia de regras e proibições.

“E Jesus, respondendo, disse-lhes: Porventura não errais vós em razão de não saberdes as Escrituras nem o poder de Deus?” – Marcos 12:24

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” – João 8:32

“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam.” – 1 Coríntios 10:23

Veja a situação: A crise político/econômica (sendo que a preocupação econômica é maior), foi mais um ingrediente para fermentar a massa da discórdia, intolerância e preconceito que cresce cada vez mais entre as pessoas. Me surpreende até certo ponto de onde partiu esta afirmação de uma possível fobia (Phobos está em alta atualmente) em relação ao evangelho de Jesus, o Cristo. Me surpreende pela origem do comentário, essa generalização, como se o próprio Jesus fosse um dos funcionários públicos da federação brasileira. Qualquer dúvida, leia também em 1Samuel 8.1-22

“Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos.” – Mateus 24:5

“Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.” – Mateus 7:21

Mas onde entra o selfie nisso tudo? EGO.

“Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, …” – 2 Timóteo 3:1,2

O selfie em si nada é, mas o que está no coração do ser humano é a verdadeira questão. Lembra do ditado popular, a boca fala do que o coração está cheio?

“Pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca.” – Mateus 12:34

O evangelho ou Boas Novas de Jesus em sua essência, tirando o aspecto da salvação (isso levando em consideração em quem não acredita em Deus, em um mundo espiritual, vida pós-morte, etc), se trata da Lei do Amor. Sim, do verdadeiro amor que anula o ego e o individuo se coloca à disposição do bem estar do seu semelhante, sem buscar recompensas, reconhecimento, mérito, benefício próprio, mas apenas a ação pelo amor, se alegrando simplesmente pelo bem estar do seu semelhante, sendo que o favorecido jamais é imposto retribuir este gesto de amor. Se isto parece loucura, realmente o evangelho de Jesus Cristo é algo a se combater.

“Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao mau; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;
E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa; E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas. Dá a quem te pedir, e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes. Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus; Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos. Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo? E, se saudardes unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim?” – Mateus 5:38-47

Outros aspectos também são obstáculo para o repúdio ao evangelho: A igreja de Cristo. Não, definitivamente não estou falando de instituições que tem CNPJ, placas, denominações, mas o corpo de Jesus, a igreja sem paredes, composta por pessoas em todas as partes do planeta Terra. Na verdadeira igreja de Jesus, convivemos em amor fraternal sem distinção sócio/econômica/profissional/étnica/estética/sexual, não nos damos o direito de julgar e sequer condenar alguém, ninguém é inferior a nós mesmos, somos todos iguais. Talvez seja difícil uma pessoa de posses, estudos, boa aparência, aceitar conviver com um morador de rua e amá-lo sinceramente como se fosse um irmão de sangue natural

“Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.” – Filipenses 2:3

Enfim, há muitos obstáculos que o ego acrescenta na trajetória da  vida de uma pessoa, mas isso não significa que não possam ser removidos. Mas também se faz necessário reconhecer que alguns não podem ser removidos sozinho, em algum momento somos dependentes de alguém. Eu particularmente escolhi dentro da liberdade que me foi dada, ser totalmente dependente de Deus e afirmo que Ele não me obriga fazer nada, sempre me pede de forma muito gentil, como um pai amoroso.

 

Evil Has No Boundaries

Me lembro quando comprei o disco do Slayer, como eu me divertia na época do heavy metal. Mesmo com a capa, músicas entituladas de The Antichrist, Black Magic, não estava nem aí pro satanismo. Na verdade, sempre nutri um medo e repulsa do diabo, pois representava a maldade. Tinha realizado a 1ª comunhão na igreja católica anos antes que me garantiram o mínimo de respeito por Deus. Usava camisetas com bode, pentagrama mas aquilo pra mim era apenas diversão e uma maneira inconsciente de chocar, provocar os padrões da sociedade. Muitos anos depois fui entender sobre o assunto e também descobri que muitos grupos de heavy metal apenas usavam elementos satânicos como alegoria, fantasia, estética e a maioria sequer era satanista, inclusive o vocalista/baixista do Slayer é católico e disse que acredita num Deus de amor. Mas isso é um outro assunto, apenas utilizei a música do Slayer que o título traduzido para a língua portuguesa significa: O Mal Não Tem Fronteiras para ilustrar e refletir sobre os dias de hoje.

“Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus” – 2 Timóteo 3:1-4

Claro que seres humanos com essas características sempre houveram na face da terra, inclusive houveram períodos extremamente violentos na chamada civilização. A história da civilização avançou com muito, mas muito derramamento de sangue. Até na tentativa de implantar a paz, a violência é utilizada. Na sociedade contemporânea num aspecto geral, devido à leis e estatutos criados de comum acordo, houve uma redução drástica na violência física aplicada na sociedade. Não é toda hora que você sai na rua e vê uma decapitação, enforcamento ou fuzilamento em praça pública, mas isso absolutamente não quer dizer que tais coisas não ocorram por aqui, mas de forma ilegal e mais discreta. Em países com regime político autoritário e conceito tribal milenar, ainda vigora o antigo Código de Hamurabi no seu estado mais puro. Mas vamos nos restringir apenas a realidade brasileira ou de cultura ocidental no séc. XXI.

A grande cegueira da nossa sociedade e também o baixo nível no parâmetro da maldade é que a esmagadora maioria da população tem culturalmente implantada em seu intelecto de que se ela não mata e não rouba, ela não é considerada uma pessoa do mal. A maldade só é identificada quando ocorrem situações mais graves, mas é na sutiliza e astúcia que a essência do mal consegue se implantar no coração humano o endurecendo de dentro pra fora. Qualquer pessoa que não se enquadra no estereótipo da pessoa má em nossa sociedade pode conter este sentimento oculto que se manifesta quando se menos espera. Seja numa criança de 5 anos de idade, numa velhinha fazendo compras no mercado, num pai de família levando seus filhos ao shopping center, e por aí vai…

“Qualquer que odeia a seu irmão é homicida.” – 1 João 3:15

Duras palavras do apóstolo João. Pois é, a palavra mata também. Proferimos palavras maldosas que causam um grande mal. Em casos extremos uma palavra maldosa pode levar uma pessoa ao suicídio. E mesmo em uma situação dessas ainda há quem diga (e não são poucas que afirmam isso) que o problema é da pessoa que se suicidou, porque era problemática, fraca, perturbada, etc e etc. Viu só? Mais maldade é gerada com um pré-julgamento pré-conceituoso e impiedoso. Mulheres e homens que tem sérios problemas em suas vidas por terem sido hostilizados por outros em relação à aparência (termo da moda: bullying). Independente do gênero sexual, vivemos em uma sociedade de aparências e a beleza estética humana é um fator ultra valorizado de uma forma tão doentia que ultrapassa as fronteiras do bom senso e chegam ter mais importância do que o bom caráter e as qualidades e capacitações. Nunca a aparência foi tão importante como nos dias de hoje. Isso chega refletir até na economia do país. Em meio a crise econômica mundial onde o Brasil sofre um impacto maior, o setor de beleza, estética e cosméticos segue praticamente imune, com crescimento de produção e lucros. Mas isso também é um outro assunto que pode amplamente ser analisado.

Voltando a questão da palavra que mata, num sentido mais amplo, elas estão presentes em nosso dia-a-dia tão perto e transitam de forma natural e não damos conta disso. As palavras mais comuns no cotidiano são as mentiras. Isso é tão comum que acaba sendo um mecanismo funcional como justificativa de trazer vantagem, benefício, etc (?!). Muitos vão recorrer aos exemplos extremos de mentira ligados à corrupção, fraudes, traições e geralmente os que utilizam esses exemplos, estão jogando uma cortina de fumaça na verdade. Vamos lá: Daí eu estou em casa ou no trabalho numa boa, sem fazer nada de importante e o telefone toca. Alguém atende e me chama dizendo que é tal pessoa. Na minha indisposição eu diria a clássica frase: “Diga que eu não estou”. A pessoa por distração ou omissão (bem, isso não importa), acata o meu pedido e despede a pessoa. Supondo que a pessoa que atendeu a ligação para mim venha me questionar o motivo de não querer atender, como se não fosse ruim o que fiz antes, diria: “Ah, é fulano de tal, ia ficar falando pra caramba, ia me tirar o sossego, me atrapalhar o serviço (caso eu estivesse no trabalho) e etc, etc…”. A coisa piora, além de ter mentido, fazer a pessoa que atendeu o telefone também mentir (nem sempre a pessoa tem a capacidade de se negar à isso e dizer para mim: “Não quero saber, atenda o telefone, pois não vou mentir”), ainda falo mal da pessoa de forma pública, mesmo que seja apenas para a pessoa que atendeu o telefone por mim. E esse tipo de situação acontece todos os dias como se não tivesse a menor importância, como se fosse um mecanismo necessário para o bem estar e bom andamento da sociedade. Sim, uma sociedade como o apóstolo Paulo descreve em sua carta à Timóteo, uma sociedade individualista que se apoia consciente ou não nos valores neo-liberais onde muitas vezes os meios ultrapassam os limites do que é justo para se atingir objetivos e satisfazer ambições. O bem estar tem que ser preservado, mesmo que isso custe o mal estar do seu semelhante. Afinal quantas vezes você já ouviu ou inclusive afirmou a clássica frase: “Se eu não cuidar de mim, ninguém vai cuidar?”. Quem ama e acredita em Deus tem a certeza que Ele cuida o tempo todo e mesmo pra quem não crê, se a pessoa não foi insensata a ponto de se isolar das pessoas, sempre tem alguém que dá uma mãozinha…

“Busca satisfazer seu próprio desejo aquele que se isola; ele se insurge contra toda sabedoria.” – Provérbios 18:1

“O Senhor está comigo entre aqueles que me ajudam” – Salmos 118:7

Poderíamos ampliar o assunto em inúmeras argumentações mas tudo pode ser constatado na raiz de todos esses problemas, a falta do oposto da maldade: a bondade, o amor. Sim o amor resolve todos esses problemas e a falta dele logicamente cria toda a espécie de prejuízo à humanidade. O amor é tudo, como tenho proclamado abertamente aqui e no meu dia-a-dia,  mas não o amor de forma segmentada, mas digo o amor de Deus que já afirmei várias vezes em publicações anteriores aqui.

“Dá a quem te pedir, e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes.” – Mateus 5:42

Esta recomendação de Jesus é muito mais abrangente do que atender um simples telefone indesejado. E assim seguem as recomendações de Deus para agir com o verdadeiro amor. Os valores da humanidade ligados à política, economia são opositores à lei de Deus, pois o amar ao próximo como a si próprio que Jesus fala, nos faz renunciar nossas vontades e desejos pessoais em prol do bem estar de qualquer pessoa, principalmente aos que não são agradáveis para nós. É extremamente difícil amar como Deus nos ama, por nós mesmos, pois a nossa natureza humana luta contra isso, chega ser considerado loucura fazer o bem para alguém que te prejudicou e mesmo que faça, jamais se deve esperar uma medalha de honra ao mérito por tal feito, pois se fizer buscando reconhecimento, já não é amor, é interesse pessoal, é vaidade, é egoísmo. São poucas as pessoas que conseguem praticar esse tipo de amor só por elas mesmas, eu mesmo só consegui compreender e aceitar a verdade e aos poucos desenvolver este sentimento com a ajuda do Espírito Santo de Deus, sem ele, seria como qualquer pessoa cruel, que ama alguns que lhe são agradáveis.

Jesus: “Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.” – João 15:5

É uma batalha diária contra a própria natureza humana e não deixar o mal estabelecer vizinhança em nossos corações. Mas se crermos em Jesus, com toda certeza esta guerra é ganha e o amor é que vence todo o poder da maldade.

“Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.” – João 16:33

“E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” – Romanos 12:2

Tudo é uma questão de escolha, onde há o Espírito de Deus, há liberdade. A princípio pode ser uma loucura, até assustador, principalmente se não houver o elemento chave para lutar contra tudo isso: a fé. E a fé é loucura para a ciência, para a lógica humana, pois como teremos a certeza da existência de algo que nunca vimos?

“Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.” – 1 Coríntios 2:14

“Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, E aniquilarei a inteligência dos inteligentes. Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo?
Visto como na sabedoria de Deus o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação. Porque os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria; Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos.” – 1 Coríntios 1:18-23

“Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens.” – 1 Coríntios 1:25

Houve um tempo em minha vida que fui influenciado pela literatura beatnik do anos 50 e me aventurei pelo laboratório de expansão da consciência através de elementos químicos, como drogas sintéticas, LSD, barbitúricos, naturais como THC, elementos alucinógenos presentes em cogumelos que são usados por outras culturas para contactar o mundo espiritual. Isso também me levou a pesquisar religiões para entender o mundo espiritual. Afirmo categoricamente que nenhuma dessas aventuras me proporcionou a resposta que procurava e a maioria dessas opções me trouxeram problemas e perca de tempo. Com muita relutância e pré-conceito, procurei Jesus, o Cristo e com toda a certeza, foi a melhor “loucura” que aconteceu em minha vida e não me arrependo, jamais.

Mas é claro, todas as pessoas são livres pra escolher. Se não quer acreditar em Deus, tente amar as pessoas e fazer o bem, tente resistir ao individualismo doentio dos dias de hoje, não julgue as pessoas e deixe elas viverem de acordo com o que elas acreditam, não busque a vingança contra as injustiças cometidas contra você, não perca tempo pensando ou falando mal de alguém, se não é possível ter compaixão, apenas ignore, se acha que é melhor que essa pessoa que te fez mal, porque pensar nela? Se não acredita que há vida após a morte, não perca seu tempo com sentimentos ruins, porque se não há vida pós morte, já era! Acredita em re-encarnação? Mesma coisa, ter que voltar de novo pra cá até ser aperfeiçoado e passar por várias aflições? Não é melhor se esforçar para praticar o bem e passar para um plano mais evoluído?

Praticar o amor em atitudes e não só palavras bonitas, é o único antídoto contra a maldade, para os que amam à Deus e os que não acreditam. Sejam de paz vossos pensamentos!

Jesus: “…e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.” – Mateus 28:20

Ostentação

narco 1“E o que a si mesmo se exaltar será humilhado” – Mateus 23:12

O Brasil tem a capacidade de absorver rapidamente a cultura de outros países, mas essa rápida assimilação dificilmente é aplicada em boas atitudes, como: não jogar lixo em vias públicas, respeitar vagas de veículos para idosos e deficientes físicos, etc. Mas para assimilar as coisas fúteis ou ruins, é extremamente rápido.

A ostentação de bens materiais já não é novidade neste mundo, mas a ascensão de artistas, atletas e pessoas que aparecem na mídia, que em parte vieram da classe trabalhadora e pobre, comanda o carro chefe de forma exagerada a exaltação das riquezas materiais, do consumismo, da vaidade. Os que pertencem à minoria da classe rica, agem de forma mais discreta, mesmo possuindo muito, mas muito mais que uma Ferrari na garagem. Se tivessem o mesmo modus operandi dos chamados “emergentes”, despertariam ainda mais o ódio da esmagadora maioria da população de baixa renda com a incerteza de ter a despensa com alimento para a próxima semana.

Bem, vamos ao momento etimológico do texto: Ostentação: (latim: ostentare) vpr 1: Fazer ostentação; mostrar-se com alarde e vanglória; Ato ou efeito de exibir com vaidade e pompa, bens, direitos ou outra propriedade, normalmente fazendo referência à necessidade de mostrar luxo ou riqueza.

Quando uma pessoa que veio da pobreza ostenta sua riqueza publicamente, gera um efeito maléfico para a população, assim como as pessoas ricas despertam a inveja e o ódio aos oprimidos pela desigualdade social e financeira. No primeiro caso, há quem diga que é até um incentivo aos pobres que podem sonhar e é possível conquistar tais coisas, trabalhando muito ou, dando sorte (mas quem crê em Deus, sabe que não existe sorte ou acaso, mas isso é outro assunto…). Pensar assim é um engano, pois na verdade, apenas vai contaminar as pessoas com valores distorcidos, que não edificam o individuo, não aperfeiçoa o caráter para o bem e acima de tudo, faz o ser humano se afastar de Deus.

“Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará a um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro” – Mateus 6:24

E essa falsa necessidade extrema de dinheiro afeta também a igreja de Jesus Cristo. Sim, esse desejo irracional de ter dinheiro, de achar que os bens materiais é que vão garantir a vida das pessoas, afasta o coração humano do amor de Deus. Então temos com muita tristeza, pessoas que vão aos templos (igrejas) em busca da benção material, do milagre financeiro que pode implantar uma grande distorção da função da igreja de Cristo e do propósito de Deus para a nossa breve vida neste planeta.

“Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.” – Mateus 6:19-21

Muitas pessoas conhecem essas palavras, até os que não acreditam em Deus. Jesus estava aconselhando as pessoas sobre o que é mais importante para nossas vidas. Existem incontáveis casos comprovados de que fortunas não foram a causa da felicidade do ser humano. Claro que em sua arrogância e vaidade, o ser humano jamais confessaria que aplicou quase toda sua vida em busca de algo que no final, não lhe deu a verdadeira felicidade.

“Quem amar o dinheiro jamais dele se fartará; e quem amar a abundância nunca se fartará da renda; também isto é vaidade.” – Eclesiastes 5:10

“Há um grave mal que vi debaixo do sol, e atrai enfermidades: as riquezas que os seus donos guardam para o seu próprio dano; Porque as mesmas riquezas se perdem por qualquer má ventura, e havendo algum filho nada lhe fica na sua mão. Como saiu do ventre de sua mãe, assim nu tornará, indo-se como veio; e nada tomará do seu trabalho, que possa levar na sua mão.” – Eclesiastes 5:13-15

“Melhor é o pouco com o temor do Senhor, do que um grande tesouro onde há inquietação.” – Provérbios 15:16

A nossa vida neste planeta é breve e passageira. Talvez alguém diga que o pensamento cristão sobre a vida eterna é um mecanismo de defesa para uma vida frustrada que não conseguiu seus objetivos no insano esporte do alpinismo social/econômico, como uma forma de se conformar com sua vida “medíocre” aos olhos dos parâmetros da sociedade de consumo. Ok, é como eu disse para um amigo sobre um assunto de música: Daqui a vinte anos você me conta se o seu método deu certo. Neste caso, pode ser desta forma: Quando todos nós morremos, a verdade se manifestará.

“Pois, que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma?” – Marcos 8:36

 

À procura de um culpado

61704“Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.” – 1 Timóteo 6:10

Vivemos tempos difíceis, não só por conta da instabilidade política no Brasil devido a crise econômica mundial. As pessoas estão perdendo a razão enfurecidas com os acontecimentos e protestam alegando não suportar mais a corrupção política. No fim de toda essa ira, reside o amor ao dinheiro. Sim, as pessoas estão revoltadas por perda de poder aquisitivo para consumo e não se trata apenas de  sobrevivência, mas de bens de consumo que passam longe da necessidade de sobrevivência. As pessoas em sua maioria não amam à Deus ou apenas acreditam de forma equivocada, mas na prática, a humanidade em sua maioria escolheu deixar Deus fora de suas vidas a ponto de transformá-lo numa fábula. Depositam sua verdadeira confiança em posses materiais, de acumulo de capital.

“Aquele que confia nas suas riquezas cairá, mas os justos reverdecerão como a folhagem.” – Provérbios 11:28

Se realmente a maioria das pessoas acreditassem em Deus como elas proclamam, ouviriam atentamente a Palavra de Deus, a guardariam no coração e colocariam em prática em seu cotidiano. Um ensinamento dos mais conhecidos até por quem não crê em Deus, não é um diálogo de filme de natal e nem tão pouco um momento poético de Jesus:

“Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos? Porque todas estas coisas os gentios procuram. Decerto vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas; Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.” – Mateus 6:31-34

O ser humano em sua vaidade escolheu viver por conta própria, sendo independente de Deus (o tal  do livre arbítrio), julgando e agindo pelo seu próprio entendimento. Muitas pessoas que não acreditam em Deus acham que quando entregamos nossa vida à Deus e sua vontade, viramos escravos de um tirano. A própria Palavra de Deus nos revela que temos verdadeira liberdade com Ele.

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” – João 8:32

“E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça.” – Romanos 6:18

“Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.” – João 8:36

“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma.” – 1 Coríntios 6:12

“Ora, o Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade.” – 2 Coríntios 3:17

Se algum grupo de seres humanos utiliza o nome de Deus para outros fins, não é agradável à Deus e essas pessoas não fazem a vontade Dele. Essas pessoas estão usando de seu livre arbítrio (ou seja, não entregaram suas vidas à Deus de verdade) e podem se aproveitar da liberdade que Deus dá, fazendo uso indevido de Seu Nome. É evidente que tudo tem consequências, mas enquanto há vida, há esperança e pode haver arrependimento. O mundo está assim porque o ser humano expulsou Deus de suas vidas. Não adianta aquela mesma conversa de que: “Se Deus é bom e existe, poque tanta injustiça nesse mundo, um bebê morre e ele não faz nada, etc e etc…”. Deus não é bom, é maravilhoso e amoroso, mas também é justo. Por sua justiça, ele não muda e interfere na vida de uma pessoa se ela não permitir. Se um bebê recém nascido é assassinado, é nossa culpa, nós construímos uma sociedade deformada que não segue os ensinamentos de Deus e temos que arcar com as consequências. Nós somos responsáveis pela sociedade em que vivemos. Infelizmente não conseguimos colocar nossos olhos no bem comum de verdade, sempre tendemos a buscar nossos próprios interesses e temos uma nação sem cidadania, apenas vivemos no mesmo território, achando que o bem estar de um conterrâneo de uma cidade longínqua não influencia o nosso bem estar.

“De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele;” – 1 Coríntios 12:26

Neste trecho da carta à comunidade de Jesus em Corinto, Paulo usa o corpo humano como exemplo de unidade e a nossa sociedade funciona da mesma forma quer queiram ou não. Exemplo? Não se viabiliza condições dignas para uma criança ter educação, boa estrutura familiar e condições de ter um bom trabalho futuramente. Ela cresce em um ambiente hostil, tanto dentro como fora de seu lar, acaba convivendo com outras pessoas que passaram pela mesma ou até pior condição e é imposto dois caminhos: Uma vida de sofrimento e muita necessidade com remotas chances de poder sobreviver com dignidade ou segue o caminho do crime, para tomar aquilo que lhe foi negado e infelizmente, seu caráter foi abalado, não houve apoio familiar e não teve forças para permanecer no caminho justo. Daí a criança se torna um criminoso adulto e pode tirar a sua vida num mero assalto num cruzamento de ruas no trânsito. Você pode não concordar sobre o que acabei de dizer. Se não quer ao menos refletir sobre isso, não perca mais seu tempo lendo este texto, vá em paz.

“De que se queixa, pois, o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus pecados.” – Lamentações 3:39

“Na verdade que não há homem justo sobre a terra, que faça o bem, e nunca peque.” – Eclesiastes 7:20

Mas voltando ao raciocínio do texto, nós estamos apenas colhendo o fruto do que semeamos durante centenas e centenas de anos. Se fosse possível passar uma espécie de raio X em todas as pessoas que participaram das recentes manifestações contra o governo, certamente encontraríamos muitas falhas que elas acusam os políticos, claro que na maioria, em menor escala de efeitos para a sociedade. Mas por outro lado, juntando todas essas situações de todos, temos o resultado de uma sociedade doente e … corrupta!

A mudança começa por uma decisão individual, assim como as Boas Novas de Jesus, Deus não mudará a vida de ninguém se a pessoa não estiver disposta à mudar. Quando todas as pessoas da multidão puderem atirar a primeira pedra por não terem pecado algum e ainda assim escolherem não atirar a pedra (não condenar), aí teremos o início de uma grande mudança.

Live after death

lemmy_0356864ebcc3

Até então, nenhuma novidade, pessoas morrem todos os dias, a cada minuto. Mas quando alguma pessoa famosa morre, parece que o mundo muda por conta disso. Nos meios de comunicação, pelo menos aqui no Brasil, o assunto amplamente noticiado foi sobre o falecimento de Lemmy Kilmister do Motörhead e David Bowie. Para a maioria dos brasileiros nem faz diferença e uma grande parte nem sabe do que se trata esses nomes estrangeiros. Mas para os apreciadores da música deles, foi um desastre. Mas outros grandes músicos também se foram recentemente: Pierre Boulez, compositor de música erudita de vanguarda e Paul Bley, pianista e compositor de jazz. Mesmo para vários amigos meus que tem mais acesso à informação do que a maioria da população, não conhecem estes nomes e para eles não teve a menor importância sobre o fato destes também terem deixado este mundo.

Enfim, o assunto que me motivou escrever este texto, foi ter reparado que muitos afirmaram de forma singela que Lemmy e Bowie estão no céu, etc, inclusive algumas ilustrações deles com aquele equivocado estereótipo com asas nas costas, uma argola dourada flutuante sobre a cabeça andando sobre nuvens. Engraçado que a maioria das pessoas nem acredita em Deus e esse conceito de céu, é cristão… Outros procuram se consolar afirmando que tanto Lemmy, Bowie ou algum parente ou conhecido, está cuidando dos vivos, observando tudo do céu ou outra dimensão, de acordo com suas crenças, religiões ou não religiões.

“Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento.
Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol.” – Eclesiastes 9:5,6

Pois é, na própria Palavra de Deus que está na bíblia, fala que não há nada depois da morte, ou vida após a morte. Mas isso não é contraditório? E o que Jesus fala?: “E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna.” – 1 João 2:25. E como se não fosse suficiente, Jesus promete esta condição. Mas isso é um outro assunto, quem não acredita em Deus não teria o menor interesse nisso, seria um delírio. De qualquer forma, o assunto morte gera todo o tipo de especulações, é a fronteira final e o capitão Kirk realmente não pode responder com autoridade. Este weblog, mesmo tendo o foco em Jesus Cristo, procura sempre abordar assuntos que dizem à respeito de ser humano, de nossas condutas aqui neste planeta, nesta realidade, em que nascemos, crescemos, envelhecemos e finalmente morremos. Para que cada assunto possa fornecer combustível para reflexão e mudança para uma atitude melhor, um estilo de vida melhor. E é apenas um pequeno espaço sem maiores ambições, é apenas mais uma opção.

Com tudo isso, com o falecimento de Lemy e Bowie, que até por muitos fãs eram como deuses imortais, é uma grande oportunidade de aprendizado num momento tão triste:

“Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, porque naquela está o fim de todos os homens, e os vivos o aplicam ao seu coração.” – Eclesiastes 7:2

“O coração dos sábios está na casa do luto, mas o coração dos tolos na casa da alegria.” – Eclesiastes 7:4

Mesmo soando sombrias estas declarações, é importante entender que se trata de uma metáfora, apenas para ilustrar como a nossa vida é passageira, frágil, e como acabamos desperdiçando o curto tempo de nossas vidas com coisas inúteis na maioria das vezes e muitas coisas que nos dão um prazer totalmente descartável, que custa muito mais caro do que valeria. Isso não quer dizer que só devemos fazer coisas sérias em nossas vidas, mas devemos aproveitar melhor esse tempo, ter prazer na vida de forma saudável, estar com as pessoas queridas, passear, ter uma boa refeição (isso não quer dizer ir à um restaurante caro, é óbvio), enfim, se alegrar com o que temos, enquanto ainda estamos vivos.

“Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias da tua vida vã, os quais Deus te deu debaixo do sol, todos os dias da tua vaidade; porque esta é a tua porção nesta vida, e no teu trabalho, que tu fizeste debaixo do sol.
Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma.” – Eclesiastes 9:9,10

Over The Rainbow… teremos um mundo melhor?

Antes de qualquer coisa, como este weblog é redigido por uma pessoa que ama Jesus Cristo, geralmente rotulado como crente, evangélico, cristão, enfim, seja o que for, isso não tem a menor importância, pois mesmo sendo uma forma de mídia pessoal, procuro atentamente escrever sobre fatos onde minha opinião pessoal de forma alguma altere tais fatos.

Vamos lá: Vejo que há um aplicativo criado pelo facebook onde há um filtro de imagem e a foto de perfil fica com um arco-íris semi-transparente, em sinal de apoio e comemoração pela aprovação do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, onde os cônjuges agora terão garantidos todos os direitos do contrato matrimonial. Sejamos francos, se trata de dinheiro sim. Também se trata de direitos civis. Mas o pré-conceito e desaprovação da maioria das pessoas vai continuar. Uma lei governamental não tem o poder para mudar o coração das pessoas, aceitem ou não. De maneira alguma sou contra a aprovação, só estou observando a realidade. Outro fato: Como estou no Brasil, vejo que muitas pessoas que fazem parte do meu perfil do facebook aderiram ao aplicativo e apoiam e comemoram a aprovação da nova lei, inclusive alguns deles são homossexuais (obviamente). Uma situação que sempre me questionei, foi que muitas pessoas que conheço, principalmente as que não tem crença em Deus, por afirmarem que esse tipo de crença traz um pensamento reacionário e homofóbico (?!), dizem que realmente não tem pré-conceito sexual, que “até” têm amigos gays, etc. Mas dificilmente vejo essas pessoas tendo um convívio com esses tais amigos gays. E quantos tem algum tipo de amizade com transsexuais?

Sinceramente, vejo é muito do politicamente correto. Definição:

“O politicamente correto (ou correção política) se refere a uma suposta política que consiste em tornar a linguagem neutra em termos de discriminação e evitar que possa ser ofensiva para certas pessoas ou grupos sociais, como a linguagem e o imaginário racista ou sexista.”

Mas onde está o amor? Ouço muitos discursos que acabam usando evangélicos como bode expiatório para homofobia e tudo mais. Outra observação que é fato: Todos os casos onde há intolerância de forma violenta com qualquer pessoa homossexual, parte de pessoas que não são evangélicas, só para lembrar. O que vejo na prática é algo como: “Ok, deixem os gays em paz, eu não tenho preconceito, mas cada um no seu quadrado”. Isso mesmo, infelizmente uma parte bem considerável age assim e talvez nem perceba a incoerência. Inúmeras vezes presenciei pessoas que acusam evangélicos e outro tipo de pessoas de homofóbicas, retrógradas, conservadoras, “moralistas”, “de direita”(?!), etc e sempre fazem piadinhas de gay. Por acaso já não é do histórico cultural do humor o gay ser um personagem cômico? Mas isso tudo é assunto para uma outra ocasião.

Ótimo, comemoremos a aprovação da legalização do casamento civil em todos os Estados da América do Norte, mas lembremos que isso não vai mudar a mentalidade de pessoas, principalmente às que pertencem à maioria dos Estados Sulistas, de lugares menos cosmopolitas, onde odeiam e matam afro norte americanos e imigrantes.

E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também a seu irmão.” –  1 João 4:21

Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus.” – 1 João 4:7

“Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo.
Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;
Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.
Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo?” – Mateus 5:43-46

Quanto mais conheço as pessoas, mais gosto dos animais?

Underdog-300x382Já não é de hoje que ouço esta frase de várias pessoas. Só que me vem outra questão: A pessoa que diz esta frase não se considera um ser humano ou se considera um ser humano melhor do que os outros? Eu poderia afirmar várias situações à respeito deste ponto de vista, mas prefiro restringir minha simples opinião apenas à mim mesmo. É muito mais fácil criar um sentimento de amor por um cachorro, gato ou o termo atual norte-americano “pet”. Os animais são irracionais, não possuem a capacidade de pensar, nem sequer tem consciência de que raça ou espécie são, apenas agem por instinto e emoções irracionais. Um cachorro pede muito pouco por seu amor incondicional aos seus donos humanos: água, comida, abrigo, um pouco de atenção, um passeio pelo parque, algum brinquedo bem simples e permanecem fiéis, desde que não sejam maltratados. Fazem alguma traquinagem para demonstrar sua insatisfação, como morder coisas, urinar onde não deveriam, mas são coisas muito insignificantes. Já um ser humano, mesmo uma criança indefesa em relação à um adulto, pode proferir palavras extremamente cruéis, como: “Eu te odeio”. Crianças podem assassinar um animal ou até outra criança. Mas em casos assim, a culpa pode ser de pais negligentes e cruéis, que servem de modelo para a criança, ou ausência de pais e ambiente humano hostil, onde não há amor.

“E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra e pesou-lhe em seu coração.” –  Gênesis 6:6

Até Deus no início da humanidade. Mas como Deus é o próprio amor, logo mudou de sentimento:

“Então o Senhor arrependeu-se do mal que dissera que havia de fazer ao seu povo.” – Êxodo 32:14 “E se lembrou da sua aliança, e se arrependeu segundo a multidão das suas misericórdias.” – Salmos 106:45

Se ainda há alguma dúvida da bondade, do amor verdadeiro de Deus por nós, seres humanos desprezíveis:

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” – João 3:16

“Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou,” – Efésios 2:4

“E o próprio nosso Senhor Jesus Cristo e nosso Deus e Pai, que nos amou, e em graça nos deu uma eterna consolação e boa esperança,” – 2 Tessalonicenses 2:16

Estas são apenas algumas das palavras de Deus cumpridas em ações de amor por todos nós. Ele mesmo diz que os que o amam, são os que guardam seu mandamento maior, que amar o seu semelhante como a si mesmo, sem esperar uma recompensa, uma compensação ou até gratidão. Cada vez mais estamos distorcendo nossos valores, nossa ética é moldada apenas para benefício próprio, cada vez mais o individualismo ganha mais força e escolher direcionar o amor para um animal de estimação é um dos sintomas. O assunto não é novidade, isso ocorre à muito tempo, até muito mais do que na época em que Eduardo Dussek interpretou uma canção de autoria de Léo Jaime de 1982.

We’re just a minor threat! (a treta é menor, uma ameaça insignificante…)

De um ponto de vista, bem que a letra da banda Minor Threat poderia ser de uma banda gospel, tirando uma e outra frase mais agressiva. Uma parte da música fala de se contentar com o que tem e ter só o que puder conseguir com sua capacidade. Existem alguns versículos e provérbios na bíblia que falam a mesma coisa. Mas enfim, não nesse contexto que a música de uma das minhas bandas preferidas de adolescência está para ilustrar este texto.

Mas tem haver com a última frase antes do refrão: “Pay no mind to us, we’re just a minor threat”, traduzindo: “Não preste atenção na gente,nós somos apenas uma ameaça insignificante”.
Ultimamente os ânimos se exaltaram por afirmações de pastores de alcance na midia televisiva, de evangélicos com cargos de funcionalismo público e suas declarações, criando uma generalização irracional de que o cristão é homofóbico, de direita, etc. Generalizar é uma droga mesmo, impede o intelecto do indivíduo de discernir as coisas como elas realmente são. É claro que existem evangélicos que são pré-conceituosos com os homossexuais e outros tipos de pessoas, mas isso não se restringe à uma “religião”. Pelo menos, não que isso seja mérito, não há casos de grupos e indivíduos evangélicos que saem por aí espancando homossexuais ou ofendendo verbalmente, não que eu saiba ou fique notório publicamente, se é que houve algum caso.
Se existem igrejas evangélicas pregando contra a homossexualidade, por acaso Jesus disse o que?
“Ide e apontai e condenai o pecado alheio de toda criatura”?
Peraí, mas não foi:

“Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.” – Marcos 16:15 ?

Que eu saiba, é para anunciarmos as Boas Novas (afinal, evangelho é uma palavra grega que significa Boas Novas) da salvação pelo sangue de Jesus, o Cristo, que ele nos liberta das acusações do maligno se assim crermos e aceitá-lo em nosso coração e fazermos a sua vontade, de amar ao próximo como a nós mesmos, recebendo de graça e dando de graça o que de graça recebemos, sem esperarmos receber recompensa pelo que fizermos, mas por amor, e amor verdadeiro. De onde inventaram que os evangélicos tem que lutar contra o homossexualismo?! O evangelho é a lei do amor.

“Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens.” – Romanos 12:18

Quantos comentários ultra equivocados eu relatei sobre o medo da suposta possibilidade de um “Estado evangélico” que seria uma espécie de Matthew Hopkins para os homossexuais, que supostamente seria promovido pela tal “bancada evangélica” no Congresso Nacional em Brasília.
Que eu saiba até hoje, os atos agressivos e até os absurdos espancamentos e assassinatos de homossexuais são executados por pessoas que passam bem longe de uma igreja evangélica. Pessoas que nem tomam o conhecimento de Deus e até acham que Deus não existe. Mas enfim:

“Somos injuriados, e bendizemos; somos perseguidos, e sofremos; Somos blasfemados, e rogamos; até ao presente temos chegado a ser como o lixo deste mundo, e como a escória de todos.” – 1 Coríntios 4:12-13

“E de todos sereis odiados por causa do meu nome.” – Lucas 21:17

Se você que por acaso encontrou este blog, não crê em Deus, em Jesus Cristo, como poderá ver em alguns dos textos aqui redigidos, não precisa ser evangélico pra ler, e nem em pensamento eu teria isso como condição. Todas as pessoas são iguais perante Deus e igualmente para mim. Apenas devemos ter uma conduta justa nessa sociedade, nessa vida. Se para você, que por acaso está lendo este texto, não se preocupe ou se aborreça, este blog não tem objetivo de convencer ninguém da existência de Deus, é apenas um espaço para reflexão de um ponto de vista de uma pessoa que tem fé em Jesus Cristo e respeita as pessoas, mesmo que algumas não respeitam e minha escolha pessoal, minha fé pessoal.
Não se preocupe, pelo menos os seguidores de Jesus que são sinceros de coração e compreendem o evangelho, não estão nem um pouco interessados em ajudar a criar um país totalitário, um comunismo Stalinista ou Maoísta, um Taliban “evangélico”, nem Jesus.

“Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui.” – João 18:36

Então, do meu pessoal e particular ponto de vista sobre toda essa perca de tempo com conflitos desnecessários, canto alegremente o refrão:

“Pay no mind to us
We’re just a minor threat
WE’RE JUST A MINOR THREAT”

A Graça de Deus me basta

Amai-vos uns aos outros! Mas com sinceridade!

Depois de um longo período sem poder escrever neste weblog devido a falta de tempo por conta do trabalho, finalmente posso dedicar esse tempo para escrever algo que seja relevante neste espaço, algo que possa ser edificante para todos nós. Bom, os Beatles? Yellow Submarine? Pois é, independente de qualquer coisa me retenho apenas no que o refrão insistentemente repete: Tudo que você precisa é amor. Hoje em dia, vejo que ainda existe uma visão muito parcial do que seja amor. Já tenho falado sobre isso das últimas vezes que escrevi textos aqui. O amor de Deus é incomparável.

Tudo bem, você que não acredita e Deus, não tem problema, como eu sempre digo, não estou aqui para tentar convencer ninguém sobre a existência de Deus, de converter alguém, mas sim de evangelizar, sim, no verdadeiro sentido da palavra, de anunciar as Boas Novas de Jesus, o Cristo (muita gente acha que Cristo é o sobrenome de Jesus, mas é apenas um título, que significa ungido, mas isso é outro assunto que não interessa agora). Evangelizar não é nada do que muita gente pensa, como uma espécie de lavagem cerebral, uma imposição de um grupo, um recrutamento, é apenas compartilhar a notícia do amor de Deus. Mas como eu não tenho realmente a menor vontade de entrar num debate sem sentido sobre a existência de Deus, vamos falar de AMOR.

O mundo está cada vez mais precisando de amor, todo mundo sabe disso, mas a maioria tem uma visão muitíssimo superficial de amor. Hoje não vou citar nenhum versículo da bíblia, para ficar algo imparcial, para que ninguém fique achando que estou sendo tendencioso, puxando a brasa para a minha sardinha ou minha, digamos, “religião”. Geralmente quem se torna ateu, tem um nível de informação e cultura acima da média da população brasileira, já que as pessoas do dito povão, são de certa forma religiosas, supersticiosas, religiosas não praticantes, mas a grande maioria acredita em Deus, mesmo que de uma forma distorcida. Conheço várias pessoas que não fazem parte do dito povão que falam sobre esse lance de “mais amor”  ou “muito amor”, que são frases recorrentes nesses círculos sociais. Falar é fácil, praticar é que é o grande porém…

Pra começar, se qualquer pessoa não vai com a cara de alguém, já começou errado. Isso mesmo. Já entra o pré-conceito, o julgamento precoce e muitas vezes equivocado, a arrogância, e aí o amor não tem comunhão com esses sentimentos, pelo menos o verdadeiro amor. Aí já entra num nicho do amor, um amor parcial, que qualquer estudante de filosofia saberá explicar, uma forma de amor que não é abrangente, pois na filosofia grega, o amor maior é o tal do Ágape, o amor incondicional e isso abrange amar pessoas desagradáveis e até aqueles que não nos querem bem. E então, nessa vários já pularam da barca, dizendo coisas do tipo: “veja bem…”,  “não é bem assim…”, mas “isso é radical demais”, etc. Taí o respaldo acadêmico para garantir a justificativa para cada um amar a seu modo. Então fica assim, cada um tem o direito de achar que o amor é do jeito que cada um entende e acredita que realmente seja, sem problemas, isso não é um tribunal de justiça.

Quanto a mim? Eu realmente dependo de Deus para ter esse tal de amor Ágape por todas as pessoas. Hoje em dia, não tem mais para mim esse negócio de não ir com a cara de alguém. Se alguém à primeira impressão me parece desagradável, imediatamente me vem ao coração que eu não sou melhor do que essa pessoa e que Deus a ama tanto quanto a mim. Sim, eu preciso acreditar nesse Deus da bíblia, dos israelitas, do Pai de Jesus, preciso desse Deus para ter esse amor incondicional pelas pessoas, sem acepção. Eu não sou um grande pensador, um filósofo, não fiz pós-graduação, não sou sábio, tenho limitações e imperfeições e necessito de Deus para ser uma pessoa melhor enquanto eu estiver de passagem neste planeta.

Questões loucas

hard-question-300x300“E rejeita as questões loucas, e sem instrução, sabendo que produzem contendas.” – 2 Timóteo 2:23

“Mas não entres em questões loucas, genealogias e contendas, e nos debates acerca da lei; porque são coisas inúteis e vãs.” – Tito 3:9

“Honroso é para o homem desviar-se de questões, mas todo tolo é intrometido.” – Provérbios 20:3

Isso não tem jeito mesmo, é um assunto que sempre estará ruminando por aí, sobre religião, etc e etc… O tempo gasto em discussões entre os cristãos sobre suas regras, códigos de ética, costumes, etc, é um tempo precioso perdido que não volta atrás. Eu vejo isso muito em uma rede social digital que peculiarmente no Brasil, é um sério problema social. Se leva a sério demais, por onde quer que eu vá, só dá a telinha branca e azul nos touchscreens nos transportes coletivos e particulares, entre os pedestres, mas isso é um outro assunto que não vem ao caso. No meu chamado mural, pelas amizades que eu tenho, cada um acaba publicando sua declaração de fé por sua religião, filosofia de vida ou ideologia e sempre respeitei o direito dessas pessoas expressarem suas convicções. Eu como cristão, jamais empurrei goela abaixo a minha fé, também não fico compartilhando com todos, publicações sobre minha fé ou como preferem rotular, “religião”.image

“Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê;” – Romanos 1:16

De maneira alguma me envergonho de ser chamado de crente, evangélico, cristão, seguidor de Jesus, o Cristo, jamais. As pessoas que conheço se dividem em convicções distintas, os que acreditam em Deus, os que não acreditam, os que tem outras crenças e já que existe de fato esta separação, eu procuro sempre respeitar à todos. Tanto que este weblog é a prova do começo ao fim deste respeito que zelo por manter, e digo isso com a minha consciência limpa. Se por ventura eu compartilho algum link de um texto que escrevo na rede social, aos meus amigos que não acreditam em Deus, apenas peço para deixar de lado a questão da fé cristã, da religião e apenas se quiserem ler o texto, atentarem para uma reflexão sobre conduta na sociedade. É como eu disse anteriormente por aqui e repito, se acham esse negócio de Deus e Jesus Cristo tudo algo ilógico, ninguém é obrigado a crer em Deus e Jesus Cristo. Inclusive nem o Pai e o Filho querem obrigar alguém.

“Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.” – Apocalipse 3:20

O próprio Jesus dá a dica, só vai onde for convidado. Então ao invés de perder tempo em provar alguma coisa, dos crentes quererem provar a existência de Deus aos que não creem e os que não creem quererem provar que Deus não existe, ambos deveriam, apenas focar em praticar o verdadeiro amor. Aos que creem em Deus isso é mais do que óbvio.

Aos que não creem em Deus, ok, esqueçam esse lance todo de Deus e Jesus Cristo, de céu e inferno, se o mundo espiritual é apenas uma muleta psicológica para digerir melhor a morte, para que haja algum consolo para o final inevitável, que não existe vida após a morte, então esta é a única chance de fazer algo realmente bom na vida.

Vai lá meu querido, pratique o bem sem buscar recompensa ou elogios, faça o bem por prazer!

“Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma.” – Eclesiastes 9:10

 

O verdadeiro amor, é tudo que importa

loveoneanother

Depois de 4 meses sem tempo para escrever, consegui um tempo para falar algo importante neste pequeno espaço virtual. Estive pensando sobre prosseguir com este weblog, pois já não vejo mais necessidade de falar sobre muitos assuntos ligados à bíblia e até sobre o evangelho de Jesus Cristo. As boas novas de Jesus é uma mensagem muito simples, não precisa de muitas palavras, basta realmente entender o que é o verdadeiro amor.

A definição perfeita do amor se encontra na carta que o apóstolo Paulo escreveu à comunidade de seguidores de Jesus Cristo (igreja) na cidade grega de Kórinthos (Κόρινθος):

“O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha” – 1 Coríntios 13:4-8

Mas por estes dias tenho pensado que sendo Deus o próprio amor, esta descrição não diz apenas sobre o conceito de um sentimento, mas também é a própria descrição de Deus. Tudo bem, talvez os teólogos discordem do que estou falando, mas isso para mim não é relevante, com todo o respeito à opinião alheia. É apenas a minha opinião em particular, algo que sinto no meu coração, no meu espírito. E sinceramente, os intermináveis debates sobre interpretações dos textos bíblicos, para mim não vejo quase nenhum benefício, apenas a complicação de algo que é muito simples, algo que é a única coisa que realmente importa, o verdadeiro amor.

A instituição administrada pelo ser humano que se convencionou chamar de igreja, eu realmente não tenho confiança. Talvez nem todos saibam, mas a palavra igreja veio do grego ekklesia (Εκκλησία), meramente significa uma assembléia popular. Os discípulos de Jesus Cristo se reuniam para conviver, compartilhar os ensinamentos de Jesus, assim como ter comunhão entre si, cantando para Deus, repartindo o pão e tudo mais. Bem distante de uma instituição cheia de normas, cargos e burocracia. Apenas havia um conjunto de condutas para que o grupo fosse organizado, afinal como seria se todos resolvessem falar ao mesmo tempo? Com o tempo o ser humano começou a se distanciar do princípio simples da igreja de Jesus Cristo, ficando tão complexo como um ministério legislativo, executivo e judiciário.

Essa complicação é a mesma que os fariseus criaram em torno da vontade de Deus e que Jesus chamava seus sacerdotes de hipócritas, pois como se tornou notório, esses líderes espirituais colocavam obstáculos e normas as quais eles mesmo não suportavam, mas queriam que o povo cumprisse, ou seja, pimenta no dos outros é refresco. E em pleno século XXI, num país liberal como o Brasil, onde há liberdade para existir qualquer organização que trata de assuntos espirituais, o ser humano repetiu a dose dos fariseus. Só que a ironia disso, é que já fazem 2 milênios que a Nova Aliança foi consumada com o próprio sangue de Jesus Cristo, a Nova Aliança da Graça, do Amor, da abolição da lei do Antigo Testamento, onde as pessoas tinham que fazer por merecer o favor de Deus. Eu estaria perdido, pois não haveria o que pudesse fazer para merecer o que Jesus me oferece hoje em dia.

Bom, por enquanto é só isso que tenho a dizer por hora. Depois comentarei sobre outros assuntos pendentes para que eu não precise mais falar sobre eles, pois o mais importante é praticar a regra de ouro do evangelho de Jesus Cristo:

“O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.” – 1 Coríntios 13:12

Vou chamar meu irmão mais velho

lion_of_judahMe lembro do tempo de escola ou na época em que a molecada brincava nas ruas, quando alguém tinha algum problema e tinha um irmão mais velho para resolver algum problema. Quando algum valentão causava problema, alguém tinha um irmão mais velho para defender. Atualmente tenho um irmão mais velho para resolver problemas que estão fora do alcance de minha capacidade limitada e que me incentiva e orienta no que tenho capacidade de fazer: Jesus, o Cristo.

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.” –  Mateus 11:28

É assim que o irmão mais velho mais firmeza que alguém poderia ter já avisa sua disposição. Só que ele não vai resolver os nossos problemas do jeito que achamos que é o certo e sim, do jeito que é realmente certo e que será melhor para nós, mesmo que a princípio não pareça algo agradável. Muitos de nós sabemos que o verdadeiro amigo é justamente aquele que quando é necessário, nos diz coisas que não gostamos, mas no final de tudo era o remédio necessário para nossa enfermidade.

Jesus não vai nos vingar se alguém sacanear a gente, ele não é aquele tipo de irmão mais velho que vai dar uma surra no valentão que te bateu:

“Mas eu lhes digo: Não resistam ao perverso. Se alguém o ferir na face direita, ofereça-lhe também a outra. E se alguém quiser processá-lo e tirar-lhe a túnica, deixe que leve também a capa. Se alguém o forçar a caminhar com ele uma milha, vá com ele duas. Dê a quem lhe pede, e não volte as costas àquele que deseja pedir-lhe algo emprestado” – Mateus 5:39-42

Talvez alguém ache que isso não é a melhor coisa que um bom irmão mais velho faria, mas isso é o que um bom e verdadeiro deveria dizer a nós em muitas circunstâncias. Mas muitas vezes queremos é uma espécie de cumplice que apoie todas as nossas decisões sem questionamento, inclusive nas decisões que posteriormente se revelarão erradas e ruins. Não queremos ser contrariados e muitas vezes pedimos coisas erradas para nós mesmos. Justamente os que nos falam coisas que em princípio não nos agradam, são os verdadeiros amigos que nos estão ministrando o remédio amargo para a nossa enfermidade.

Jesus é o tipo de irmão mais velho que ainda por cima é um bom amigo, um amigo verdadeiro para todos os momentos, que nunca nos abandona e sempre tem a solução pra os nossos problrmas, mas não do jeito que a gente pensa ser o certo, mas o que é realmente certo e  o que é realmente o melhor para nós,

“O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos. Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando.” – João 15:12-14 

* Quem é Jesus? “…eis aqui o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos.” – Apocalipse 5:5

O gramado do vizinho…

relaxation-guilt

“De que se queixa, pois, o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus pecados.” – Lamentações 3:39

Pois é, antes todos nós pensassemos assim antes de qualquer coisa. Mas quando algo falha, a maioria automaticamente busca uma causa exterior. Mas por outro lado, não se houve sempre a expressão: “Ninguém é perfeito”? Geralmente isso acontece quando não há mais outras alternativas, pois esta acaba sendo a última, a última que restou.

Mesmo que realmente não fosse minha culpa de algo não suceder da melhor maneira, mesmo que fosse devido a um fator externo, creio que uma análise interior, pessoal em primeiro lugar é o primeiro procedimento.

Como de praxe, deixemos de lado qualquer referência sobre instituições religiosas, superstições, misiticas, pré-concepções, crenças variadas, etc.  O foco aqui é simplesmente a nossa conduta diária ao vivermos na sociedade contemporânea, com ou sem Deus. Aos que crêem, que assim seja, e aos que não crêem, que assim seja também.

“Examine-se, pois, o homem a si mesmo, …” –  1 Coríntios 11:28

Assim Paulo orientou para que possamos compartilhar do corpo e do sangue de Cristo na nova aliança que nos foi concedida sem merecimento de nossa parte, pois nenhum ser humano da face da terra teria ou terá algum mérito para receber a Graça de Deus através do sacrifício de resgate de nossa alma por Jesus. Mas o que me atenta é a questão de nos analisarmos como indivíduos e reconhecermos realmente o quanto somos falhos e que não somos melhores ou piores do que nenhum ser humano deste mundo. E as Boas Novas de Cristo tem o efeito de um espelho o qual se nos dispusermos, podemos olhar a nós mesmos no mais profundo de nossa essência, de nosso caráter, de nossa humanidade, de nosso coração e nossa mente. Pois é, então vemos que o nosso padrão de justiça, bondade, amor, é um tanto quanto razo perante os padrões de Jesus. O evangelho de Jesus Cristo não é um pastor midiático vociferando a nossa culpa como pecadores e pedindo dinheiro para a igreja, não, não mesmo. O evangelho não nos acusa de pecadores que “arderão no inferno”. Ah, por favor! Vamos nos libertar das interpretações equivocadas da alegoria de linguagem da palavra de Deus. Amados, não há fogo e tridentes no tal do inferno. Mas enfim, o que nos incomoda é a nossa consciência, nós sabemos que algo está errado.

Afinal, do que se queixa o ser humano? Se a humanidade realmente estiver disposta a praticar a justiça imparcial com ela mesma, essa caixa de “Eu me sinto culpado” estaria bem mais cheia, mas muitas vezes preferimos na calada da noite, despejar nosso entulho na caçamba que o vizinho contratou para sua reforma e nós não temos despesa alguma. Mas quando entendemos o que Cristo fez por nós sem cobrar nada e aceitamos o seu amor, nossos erros não são mais um fardo e apenas uma lição passada e superada que nos aperfeiçoa e podemos seguir em frente.

“Ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e levou as nossas doenças.” – Mateus 8:17

Sim, tomou sobre nossas enfermidades e doenças de nossa alma.

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.” –  Mateus 11:28

“E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida.” – Apocalipse 22:17

“O meu reino não é deste mundo” – João 18:36

“Well, I just want to walk right out of this world,
‘Cause everybody has a poison heart.
I just want to walk right out of this world,
‘Cause everybody has a poison heart,
a poison heart, a poison heart, a poison heart …”
Eu não sei dizer o que Dee Dee Ramone sentia quando escreveu esta canção, mas de algum modo, faz sentido com o evangelho de Jesus Cristo. Apesar de Dee Dee ter nos deixado numa circunstância muito triste, espero que naquele momento, não estivesse com tristeza no coração. Não encaro a letra de Poison Heart como uma carta de conteúdo suicida, mas de alguém que deseja um mundo melhor.
Jesus disse que seu reino não é deste mundo. Este mundo, isto é, a humanidade fez a sua escolha de viver de acordo com seus próprios valores, ideais, leis. O que me entristece é ainda haver muitas pessoas que acreditam que as religiões são um grande causador do mal neste mundo. Ora, de um ponto de vista em particular e restrito, até existe um fundamento nisso, desde que estejam se referindo à religião como instituição criada pelo ser humano. Não creio que os deuses das religiões ordenam seus fiéis matarem, roubarem, enganarem, mentirem, cobiçarem, serem materialistas, egoístas, vaidosos ao extremo, violentos. Como não conheço profundamente as doutrinas das religiões em geral, vou apenas abordar o que diz respeito à Deus e Jesus Cristo.
“E disse o SENHOR a Samuel: Ouve a voz do povo em tudo quanto te dizem, pois não te têm rejeitado a ti, antes a mim me têm rejeitado, para eu não reinar sobre eles. Conforme a todas as obras que fizeram desde o dia em que os tirei do Egito até ao dia de hoje, a mim me deixaram, e a outros deuses serviram, assim também fazem a ti. Agora, pois, ouve à sua voz, porém protesta-lhes solenemente, e declara-lhes qual será o costume do rei que houver de reinar sobre eles. E falou Samuel todas as palavras do SENHOR ao povo, que lhe pedia um rei. E disse: Este será o costume do rei que houver de reinar sobre vós; ele tomará os vossos filhos, e os empregará nos seus carros, e como seus cavaleiros, para que corram adiante dos seus carros. E os porá por chefes de mil, e de cinqüenta; e para que lavrem a sua lavoura, e façam a sua sega, e fabriquem as suas armas de guerra e os petrechos de seus carros. E tomará as vossas filhas para perfumistas, cozinheiras e padeiras. E tomará o melhor das vossas terras, e das vossas vinhas, e dos vossos olivais, e os dará aos seus servos. E as vossas sementes, e as vossas vinhas dizimará, para dar aos seus oficiais, e aos seus servos. Também os vossos servos, e as vossas servas, e os vossos melhores moços, e os vossos jumentos tomará, e os empregará no seu trabalho. Dizimará o vosso rebanho, e vós lhe servireis de servos.” – 1 Samuel 8:7-17
Pois é, é o tal do livre arbítrio, o direito de liberdade que tantos exigem. Outros ainda, querem ser livres a ponto de não terem nenhum dever a cumprir, que não devem obedecer nada. Fico imaginando que tipo de educação tiveram de seus pais. Bem, como o texto acima mostra de forma muito direta e clara, Deus não obrigou ninguém a nada e ainda avisou ao povo sobre as consequências de ter um ser humano como senhor de suas vidas. Da mesma forma ocorre em outras formas de sociedade, seja um regime comunista, imperialista, parlamentarista, capitalista. “Ah, mas não concordamos com essas opções, queremos um regime anarquista, poder para o povo, etc”. Então você acredita que a humanidade tem condições de viver assim? Você acredita que o ser humano possa por ele mesmo romper com sua própria natureza individual para este tipo de governo ser implantado? Muitas vezes uma simples banda de punk rock não consegue viver isso.
Então alguém na multidão reclama e exige explicações porquê as coisas estão dando errado e porquê Deus não faz nada.
“Então naquele dia clamareis por causa do vosso rei, que vós houverdes escolhido; mas o SENHOR não vos ouvirá naquele dia. Porém o povo não quis ouvir a voz de Samuel; e disseram: Não, mas haverá sobre nós um rei. E nós também seremos como todas as outras nações; e o nosso rei nos julgará, e sairá adiante de nós, e fará as nossas guerras. Ouvindo, pois, Samuel todas as palavras do povo, as repetiu aos ouvidos do SENHOR. Então o SENHOR disse a Samuel: Dá ouvidos à sua voz, e constitui-lhes rei.” – 1 Samuel 8:18-22
O pior é que isso de culpar a suposta omissão de Deus vêm dos que não acreditam que ele existe. Já não deu este assunto? Por que se perde tanto tempo se não acreditam que Deus existe? Simplesmente IGNOREM e ASSUMAM suas RESPONSABILIDADES, HUMANIDADE!
Deus sofre com as injustiças na humanidade, Deus sofre quando inocentes morrem. Ele não age por conta de sua justiça, ele concordou com o livre arbítrio que o ser humano exigiu e o ser humano tem que se responsabilizar pelos seus atos e arcar com suas consequências. Deus deu liberdade para todas as pessoas deste mundo, inclusive para os cristãos, evangélicos e católicos. Os que fazem uso indevido de seu nome, colheram, colhem e colherão o fruto do que semearam.
OK, vamos ao que interessa, Jesus disse que o Reino de Deus não é deste mundo. Então daqui em diante, como sempre recomendo, aos que não acreditam em Deus, (creio que a esta altura, quem ainda acompanha este weblog, tenha fé espiritual) não perca tempo precioso com restante do texto.
Já faz um tempo que a soiedade em geral tem combatido a tal da “bancada evangélica” em Brasilia. Talvez eu escreva mais detalhadamente sobre eles em outro post se for necessário. Em primeiro lugar, quantas vezes vou ter que repetir, pessoas são pessoas, não dá para generalizar por conta de religião, partido ou o que quer que seja. (talvez eu tenha que repetir 70X7, como Jesus recomendou). Alguns irmãos de fé me dirão que a bancada deve existir e que a igreja isso e aquilo, tem que ter representação no governo. Uma pinóia! O papel da igreja de Jesus Cristo é anunciar as Boas Novas do Reino de Deus (que não é deste mundo), o amor de Jesus Cristo, a vida eterna, a libertação das consequências dos erros cometidos e a verdadeira religião, a própria bíblia explica:
“A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo.” – Tiago 1:27
Existem líderes evangélicos que argumentam muitas coisas para justificarem suas atitudes. Ok, o evangélico não deixa de ser um cidadão brasileiro e o verdadeiro cristão não pode ter vida dupla, ou seja, é uma coisa na congregação e outra no dia-a-dia. Mas eu discordo totalmente de pastores usarem seus títulos eclesiásticos na política, no seu cargo secular. O evangélico que trabalha como servidor público, tem o dever de atender as necessidades do cidadão brasileiro, seja ele de qualquer cor de pele, religião, sexualidade, etc. Se a sociedade quer algo que vá contra seus valores, o funcionário público evangélico tem o direito de não concordar, não aceitar em sua vida particular, mas jamais atacar, ofender e usar de seu cargo para combater a opção da população. Veja o caso do povo hebreu que não queria que Deus fosse seu rei, em poucas palavras, Deus disse que o povo estaria por sua própria conta. Que assim seja.
“Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens; Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade; Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade.” – 1 Timóteo 2:1-4

Direitos e deveres?

 

Balança da Justiça 01

“Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.
Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,
Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela.” –  2 Timóteo 3:1-5

No último domingo em uma padaria na Mooca, estava com amigos que são irmãos de fé tomando um café e conversando sobre a coisa mais importante sobre o evangelho de Jesus Cristo, o verdadeiro amor. Sim, o amor que o apóstolo Paulo descreve em sua carta à cidade de Kórinthos, localizada nas periferias da península de Pelopónissos, Grécia:

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha;” –  1 Coríntios 13:1-8

E comentávamos que a nossa batalha começa já colocando o pé para fora de casa todos os dias, quando alguém nos empurra dentro dos transportes coletivos, em filas, em corredores, etc, pisam em nossos pés e sequer pedem desculpas, quando descontam seus problemas em nós sem nos conhecer, atendendo com irritação e mau humor, até nos ofendendo por não adivinharmos suas vontades, como “ter” que caminhar na mesma velocidade que eles, quando sempre somos nós que devemos abrir caminho na calçada e nunca eles, e assim segue uma lista enorme. Também comparávamos a população independente de classe social, com o seriado Walking Dead, mas isso é óbvio e até chega a ser uma comparação superficial se não atentarmos os detalhes desta comparação. Em um episódio da série, um cientista  explica o que acontece com o cérebro no processo epidêmico, quando ele para de funcionar, quando a sinapse entra em colapso e ocorre a “zumbificação” pós morte, onde todo o corpo volta a funcionar sem consciência e raciocínio e existe apenas uma espécie de instinto que leva o corpo buscar seu mantimento.

Quando estamos nas estações de metrô, sabemos que há um eficiente sistema de informação de procedimentos básicos ao usuário, como os avisos extremamente bem visíveis nas plataformas de embarque/desembarque que orientam o usuário a deixar livre a passagem para quem desembarca e ainda há avisos sonoros que são constantemente emitidos pelos auto-falantes espalhados pelas estações e vagões dos trens. Nas escadas rolantes há avisos orientando o usuário a se manter à direita dos degraus para deixar livre a passagem de outros usuários que desejam prosseguir com mais velocidade, sendo em que algumas escadas, ainda há adesivos a cerca de aproximadamente 2 metros nos rodapés, orientando o mesmo procedimento. Ora, esta é uma regra básica de trânsito em qualquer situação urbana e inclusive é aplicada em automóveis, pois a ultrapassagem segura é feita pela via esquerda do condutor. Mas as pessoas parecem que não enxergam e nem escutam nada.

“Ouvi agora isto, ó povo insensato, e sem coração, que tendes olhos e não vedes, que tendes ouvidos e não ouvis.” – Jeremias 5:21

Alguém poderá me dizer que é a correria do cotidiano que causa isso, mas antes fosse só isso. As pessoas perderam e outras talvez nunca tiveram consciência do verdadeiro amor, do amor ao próximo, do amor que não faz as coisas em troca de benefícios. A maioria não faz simples gentilezas por que querem ser recompensadas, querem ganhar algo em troca. É muito comum o tipo de pensamento como: “Ninguém faz isso por mim, por que eu deveria fazer? Não sou obrigado”. Sim! Realmente a pessoa não é obrigada a fazer um favor ou gentileza, ainda mais se for uma pessoa que não conhece. Mas quando nós amamos de verdade, fazemos coisas boas sem esperar algo em troca. Muitas pessoas não fazem isso porque não se amam de verdade e sim, confundem o amor próprio com o egoísmo, o egocentrismo e desejo desenfreado de saciar seus desejos pessoais. Quem não ama a si próprio, não tem condições de amar alguém, pois na verdade, esse amor à outra pessoa, nada mais é do que essa pessoa ser um instrumento para saciar suas carências e desejos.

“Porque toda a lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo.” – Gálatas 5:14

“Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo?” – Mateus 5:46

Me traz uma grande angústia ver todos os dias as pessoas se maltratando nas ruas, em seus locais de trabalho, de lazer, em seus lares e até nas igrejas! Pessoas que não conseguem enxergar um palmo à frente como se a sinapse tivesse entrado em colapso, mas ela está lá. Tanto que elas exigem seus direitos com muita convicção, mas seus deveres, em muitas vezes enxergam como fazer hora extra remunerada.

Agora veja a situação delicada no caso das recentes manifestações no Brasil nestes últimos dias. O governo que foi eleito pela população não cumpre seus deveres levando a população protestarem por seus direitos e muitos destes que foram se manifestar não cumprem seus deveres como cidadãos e principalmente como indivíduos. De quem é realmente a culpa? Quem dará o primeiro passo rumo ao amor e a justiça? Tudo tem um preço…

“O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo.” – 1 Timóteo 2:6

Amai-vos uns aos outros

agapeE consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e ás boas obras,Hebreus 10:24

Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.João 13:35

Saudai-vos uns aos outros com ósculo de amor. Paz seja com todos vós que estais em Cristo Jesus. Amém.1 Pedro 5:14

Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros.Romanos 12:10

Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor,Efésios 4:2

Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus.1 João 4:7

A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei.Romanos 13:8

Ninguém jamais viu a Deus; se nos amamos uns aos outros, Deus está em nós, e em nós é perfeito o seu amor.1 João 4:12

Mas, sobretudo, tende ardente amor uns para com os outros; porque o amor cobrirá a multidão de pecados.1 Pedro 4:8

Purificando as vossas almas pelo Espírito na obediência à verdade, para o amor fraternal, não fingido; amai-vos ardentemente uns aos outros com um coração puro;1 Pedro 1:22

O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.João 15:12

Quanto, porém, ao amor fraternal, não necessitais de que vos escreva, visto que vós mesmos estais instruídos por Deus que vos ameis uns aos outros;1 Tessalonicenses 4:9

Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pelo amor.Gálatas 5:13

Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis.João 13:34

Pra quê nós precisaríamos de Deus?

God

É uma pergunta recorrente desde muito tempo, principalmente na civilização ocidental do século XX em diante. O pensamento da humanidade mudou radicalmente pós revolução industrial, assim como no Iluminismo. Muitas pessoas questionam a existência de Deus principalmente pelo fato de muitas situações negativas acontecerem ao redor do mundo, sendo que através das instituições religiosas, é pregado um Deus todo poderoso. Também várias instituições religiosas não agem de forma coerente com a maior definição de Deus e é comum isso se reverter numa aversão à Deus e sua existência.

Recentemente, tenho notado a divulgação de um trecho da entrevista feita em 2001 de Anne Graham, filha de Billy Graham, famoso evangelista norte-americano, em um programa televisivo matutino da CBS, o Early Show* que foi veiculado de 1999 à 2012:

Jane Clayson (Early Show):
– Como é que DEUS teria permitido algo horroroso assim acontecer no dia 11 de setembro?
Anne Graham:
– Eu creio que DEUS ficou profundamente triste com o que aconteceu, tanto quanto nós. Por muitos anos nós temos dito para DEUS não interferir em nossas escolhas, sair do nosso governo e sair de nossas vidas. Sendo um cavalheiro como DEUS é, eu creio que Ele calmamente nos deixou. Como poderemos esperar que DEUS nos dê a Sua bênção e Sua proteção se nós exigimos que Ele não se envolva mais conosco?

Pois é, o livre arbítrio que tanto prezamos, proclamamos e exigimos, tem suas consequências. Somos responsáveis pelos nossos atos, estamos sujeitos às consequências que esses atos causam e infelizmente os atos alheios também nos atingem, pelo simples fato de vivermos em sociedade. Mesmo as classes sociais que possuem um poder aquisitivo diferenciado que tentam se isolar em grupos, associações, condomínios, carros blindados e shopping centers de luxo, não podem impedir essas consequências.

Se nós como seres humanos, como sociedade, como família, como cidadãos, como nação, como indivíduos escolhemos decretar a inexistência de Deus, porque afinal de contas, questionar a suposta existência de Deus e eventualmente culpá-lo pela sua indiferença?

“E um dos malfeitores que estavam pendurados blasfemava dele, dizendo: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a nós.” –  Lucas 23:39

Então aí está o mundo como é, segundo a vontade da humanidade.

*link da entrevista de Anne Graham na íntegra: http://www.annegrahamlotz.com/static/uploads/Media-Coverage/Early_Show_9-13-01.pdf

Olho por olho, dente por dente

Snap 2013-05-22 at 12.25.56

Antes que alguém pense que este texto visa denegrir alguma religião, sossegue o dedo do gatilho e não “sente o dedo”. Esta foto apareceu no mural do meu perfil do facebook e o que me chamou a atenção não foi a declaração de fé do motorista e sim o comentário ao lado da foto que eu grifei em vermelho. Esta não foi a primeira e é claro que não será a última vez que acontecerá algum caso como este de agressão gratuita. Já não deu esse assunto do Feliciano? O que a foto tem haver com o Feliciano? O Feliciano se pronunciou sobre essa foto e será que por acaso ele viu a foto? Bom, se eu fosse da mesma fé que esse motorista é, também me manifestaria da mesma maneira do publicador da foto, não acharia engraçado, ficaria feliz e orgulhoso pela atitude do motorista e daria um salve a entidade em questão.

Ok, podemos levar tudo na esfera do humor, que apenas a pessoa quis fazer uma piada com o polêmico Feliciano. Realmente é plausível usar esta argumentação, mas isso se for levado de uma maneira superficial, pois o simples fato da pessoa ter escrito algo contra o Feliciano numa foto que não tem absolutamente nada haver com o servidor público evangélico, revela o que está no coração da pessoa. Mas a tecla percutida incansavelmente como um ostinato, é que os evangélicos são pré-conceituosos e intolerantes. Como já disse antes, é um pensamento extremamente débil generalizar pessoas por cargos, profissões, gênero sexual, religioso, etc. Pessoas são pessoas, seres individuais e antes do Feliciano ser evangélico, ele é um ser humano com sua personalidade estritamente individual.

Creio que esta questão esteja bem clara e podemos comentar algo mais relacionado diretamente ao comentário sobre a foto, pois ela em si, não tem relevância neste texto, ela é apenas o direito de alguém se expressar livremente sobre a sua fé, sobre a confiança que a pessoa tem na fidelidade da entidade. Chega um momento em nossas vidas que devemos amadurecer, evoluir para patamares mais elevados de consciência como seres humanos e deixarmos de lado atitudes que nos proporcionam um prazer tão efêmero e pobre, como certas modalidades de humor que o mercado da vida nos oferece. Muitos podem dizer que estou tentando dar uma liçãozinha de moral, que estou bancando o certinho e tal. Sim, muitos podem dizer e achar isso mesmo, mas isso não me importa, pois não estou aqui para impor os meus valores de conduta para ninguém, não tenho esse direito e muito menos vontade. Cada um no seu quadrado, cada um viva como bem entender. Não somos todos livres?

Eu apenas me esforço em seguir o que Jesus Cristo me ensina, a amar as pessoas como ele amou, a amar as pessoas como eu amo a mim mesmo, a fazer ao próximo algo que eu gostaria que fizessem por mim e não pagar o mal com o mal.

“Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;” –  Mateus 5:39

As pessoas tem o direito de se vingarem, de retaliar, de pagar na mesma moeda e não posso condená-las. Alguém pode me acusar de estar julgando a pessoa que fez o comentário sobre a foto. Opa, vai com calma, eu não estou julgando a pessoa e muito menos condenando-a, nem sei quem ela é, apenas estou analisando uma atitude. É prudente analisarmos atitudes, julgarmos o que nos beneficia e o que nos prejudica.

Para não me demorar neste assunto, apenas coloco uma questão: Se alguma pessoa, situação, seja o que for, eu considere tão lamentável, que não me agrada, por que eu perderia meu tempo e me prejudicaria falando sobre ela? Há! Fui pego em contradição? Não estou aqui escrevendo sobre algo desagradável? Não, de maneira alguma, pois isso é uma reflexão, que me serve de exemplo para lembrar de nunca cair numa armadilha dessas e contaminar meu coração e expor uma situação para a edificação espiritual a quem que analisar comigo esta situação, de ver como são sutis os caminhos que nos levam a nos envenenar com negatividade.

Se o Feliciano é tão desprezível assim, porque eu falaria dele? Se os evangélicos são tão idiotas, porque eu me importaria com eles?

Como disse antes, ao ver a foto, não me causou algo para fazer uma piada e muito menos de me irritar, apenas vi alguém manifestando a sua fé.

ps.: O interessante é que muitas pessoas afirmam categoricamente que se alguém zomba, fala mal ou agride um homossexual, é porque no fundo é um enrustido. Mas como sempre, dois pesos, duas medidas…

Casamento entre pessoas do mesmo sexo

União+HomoafetivaCasamento entre pessoas do mesmo sexo é mais conhecido como casamento gay, casamento homossexual, ou casamento homo-afetivo. Creio que todos sabem que significa o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo biológico ou da mesma identidade de gênero. Os defensores do reconhecimento legal de casamento do mesmo sexo geralmente se referem ao seu reconhecimento como casamento igualitário.

Ultimamente é óbvio que a discussão tomou nível mundial e em várias partes do mundo isso se tornou um grande conflito na sociedade. No Brasil, o Conselho Nacional de Justiça na última terça-feira aprovou uma resolução obrigando os cartórios de todo o país a celebrar o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, sendo que o STF já havia reconhecido, por unanimidade, a equiparação da união estável homossexual à heterossexual, assegurando aos casais gays direitos como herança e pensões. A resolução do CNJ passa a valer a partir da publicação no Diário Oficial – que deve ocorrer ainda nesta semana e ainda pode ser contestada no STF. Atualmente, 14 países, incluindo Argentina e Uruguai, na América do Sul, já legalizaram o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Por aqui o foco está na desaprovação dos evangélicos sobre o casamento entre homossexuais, mas seria injusto não lembrar que há vários setores da sociedade que também não aprovam. Como de costume os evangélicos tem sido alvo recorrente de muitos ataques, acusações, sendo que a maioria são feitos de maneira falsa e injusta, mas isso não vem ao caso neste texto que escrevo. Realmente não entrarei numa questão de conflitos deste teor, pois são discussões que não produzirão bons frutos.

“Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.” – Gálatas 5:22

Eu realmente não sei e não quero saber quando e porquê a igreja de Cristo entrou nesta batalha.

“Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.” –  Efésios 6:12

Jesus Cristo também não disse para a igreja ou parte dela se pronunciar de forma combativa. Ele disse claramente como a luz do meio dia:

“E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.” –  Marcos 16:15

Jesus Cristo de maneira nenhuma disse para a sua igreja que deveriam convencer as pessoas de seus pecados e muito menos de acusá-las.

“E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo.” – João 16:8

“E, endireitando-se Jesus, e não vendo ninguém mais do que a mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais.” –  João 8:10-11

Uma das argumentações que alguns irmãos em Jesus Cristo usam para justificar suas posturas de combate, inclusive usando versículos da bíblia, é não cometer o pecado da omissão e permitir passivamente a corrupção da sociedade. Ora, até os que não acreditam em Deus e acham que Jesus, o Cristo, é uma fábula, acabam usando trechos bíblicos para atacar a igreja e falarem mal de um Deus que eles não acreditam que existe, na tentativa um tanto quanto controversa de provar a sua inexistência e inutilidade, já que usam trechos para ilustrarem um Deus impiedoso. Mesmo partindo do ponto que Deus seja uma ilusão, esta ilusão é descrita na bíblia como um Deus de amor e justiça, mas não um amor do ponto de vista contemporâneo e de parâmetros do ser humano.

“O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha;” –  1 Coríntios 13:4-8

E justiça nunca significou agir de maneira arbitrária e condenatória:

Justiça (do latim iustitia): igualdade de todos os cidadãos. Em um sentido amplo pode ser considerado como um termo abstrato que designa o respeito pelo direito de terceiros, a aplicação ou reposição do seu direito por ser maior em virtude moral ou material. Justo é aquilo que é equitativo ou consensual, adequado e legítimo. Sua ordem máxima, representada em Roma por uma estátua, com olhos vendados, visa seus valores máximos onde “todos são iguais perante a lei” e “todos têm iguais garantias legais”, ou ainda, “todos têm iguais direitos”. A justiça deve buscar a igualdade entre os cidadãos.  Segundo Aristóteles, o termo justiça denota, ao mesmo tempo, legalidade e igualdade. Assim, justo é tanto aquele que cumpre a lei (justiça em sentido estrito) quanto aquele que realiza a igualdade (justiça em sentido universal). A justiça implica, também, em alteridade (é a concepção que parte do pressuposto básico de que todo o homem social interage e interdepende do outro). Uma vez que justiça equivale a igualdade, e que igualdade é um conceito relacional ou seja, diferentemente da liberdade, a igualdade sempre refere-se a um outro).

casamento-gay-casais-01

 

Deus em sua justiça, equidade, não impediu o ser humano de ignorá-lo e viver à sua própria maneira. Já que boa parte da sociedade acha que Deus, esse negócio de religião é um atraso de vida, ela pode fazer o que bem achar melhor e creio que a maioria optou pela legalização do casamento homossexual. Eu não entrarei no mérito da questão, a sociedade está usufruindo a sua liberdade e seus próprios conceitos. A sociedade decidiu que o termo família não se restringe apenas a uma unidade de pessoas formadas por homem, mulher e filhos. Se parte da igreja de Cristo argumenta que isso é pecado, definitivamente não é o papel dela ficar apontando o dedo. As pessoas são livres para decidirem o que é certo ou errado para elas e são responsáveis pelas suas decisões e convicções.

 

“E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo.” –  João 16:8

Aos meus irmãos em Cristo:

“Mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, e sois redargüidos pela lei como transgressores.” –  Tiago 2:9

“O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.” –  João 15:12

“Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.” – 1 João 4:8

“E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também a seu irmão.” –  1 João 4:21

“Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.” –  João 13:35

“Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor.” –  João 15:10

“O meu amor seja com todos vós em Cristo Jesus. Amém.” –  1 Coríntios 16:24